Benji Price inaugura o Gatódromo após 3 anos de interrupção

O primeiro dia das Monumentais Festas do Enterro da Gata, dia 7 de maio, foi inaugurado por Benji Price, ao mesmo tempo, que o artista também se estreou nas festividades minhotas.

1. É a primeira vez que atuas nas Monumentais Festas do Enterro da Gata. Sentes que as expetativas foram cumpridas?

Sem dúvida! Sempre me falaram bem do público do Norte, nomeadamente do público de Braga. Por acaso, já não vinha a Braga há muitos anos, mas estou muito satisfeito. O público é incrível e espero voltar aqui muitas vezes.

2. Achas que o rap contemporâneo português é mais valorizado do que há dez anos?

Sim, sinto muito isso, sem dúvida. O nosso mercado cresceu muito e o facto de também haver uma maior oferta de artistas ajuda substancialmente. Antigamente, como só haviam três ou quatro artistas mais conhecidos, as pessoas acabavam por girar o circuito com maior brevidade. Agora há tanta variedade que, sem dúvida, que o rap está mais valorizado. Aliás, acho até que estamos a viver a era de ouro do hip-hop Português.

3. Na tua opinião e de um ponto de vista mais pessoal, preferes produzir ou atuar?

É uma pergunta complexa e complicada, visto depender do estado de espírito. Se eu não me estiver a sentir cansado, eu acho que prefiro atuar. No entanto, para o dia a dia, produzir é um pouco mais simples, porque a vida de estrada acaba por consumir muito. Nada substitui tocar ao vivo. É incrível, mas eu suponho que, na maior parte do tempo, prefiro produzir do que atuar. No entanto, adoro dar concertos, algo que gostaria de frisar, mas a minha personalidade acaba por pender um pouco mais para o lado da produção.

4. Sabemos que já trabalhaste com alguns dos artistas que também vão marcar presença nestas Monumentais Festas do Enterro da Gata, como Diogo Piçarra, Lon3r Johny e ProfJam. Qual é a sensação de partilharem o palco?

É uma sensação muito peculiar, porque quando tu abraças um artista pela primeira vez, nunca sabes onde tudo vai parar. Por exemplo, no caso do ProfJam, ele há uns anos era considerado um rapper underground e que fazia música que nunca iria parar às grandes massas e, hoje em dia, é o sucesso que se sabe. O mesmo se passou quando decidi convidar o Lon3r Johny. A reação da maioria das pessoas foi negativa e hoje cá estamos. O sucesso é algo inesperado, mas obviamente é uma sensação muito boa.

5. Por fim, há alguma mensagem que queres deixar aos estudantes da Academia Minhota?

No fundo, a palavra que deixo aos estudantes minhotos é que estudem e não desistam dos vossos sonhos. Eu também não desisti do meu. Demorou muito tempo para chegar até aqui, mas foi possível. Estamos juntos e quero muito voltar assim que possível!